Logo Up4 Invest Logo XP Investimentos
menu

Atendimento
por telefone

19 3835-0814

27
Dec

COE: tudo que você precisa saber

COE: tudo que você precisa saber

COE, ou Certificado de Operações Estruturadas, é um tipo de aplicação que combina a segurança da renda fixa com a rentabilidade da renda variável, através da diversificação de ativos.

Muito conhecido em países como Estados Unidos, as Notas Estruturadas funcionam da mesma maneira, há bastante tempo. No Brasil, o COE começou a ser oferecido publicamente em 2016, o que faz com que esse investimento seja pouco conhecido.

Esta modalidade, ainda que aplique em renda variável, apresenta um diferencial muito importante para quem deseja controlar seus riscos.

 

O que é COE?

O Certificação de Operações Estruturadas (COE) é a versão brasileira das Notas Estruturadas, muito popular nos Estados Unidos e na Europa. A estratégia é utilizada por investidores que desejam aumentar sua rentabilidade, mas correndo poucos riscos.

Dessa forma, diversifica-se os investimentos entre ativos de renda fixa, como CDB, Tesouro Direto, LCI e LCA, e renda variável, como:

  • Ações nacionais e estrangeiras
  • Índices da B3 e Bolsas americanas
  • Taxas de juros
  • Commodities
  • Moedas

Um grande diferencial do COE é a segurança, pois é possível garantir o valor investido.

Ou seja: se a rentabilidade dos ativos como ações for muito boa, você ganha o lucro. Mas, se por algum motivo, as oscilações do mercado prejudicarem o rendimento do seu investimento, você não perde nada – recuperando o valor investido inicialmente.
É por isso que o COE é uma excelente opção para quem deseja começar uma aventura no mercado de ações, mas com menos riscos.

 

Qual o significado de COE?

COE é a sigla para Certificados de Operações Estruturadas. O título é emitido pelo banco e tem rentabilidade baseada na variação de um ativo financeiro, como índices, câmbio, ações, entre outros.

 

O que é uma operação estruturada?

Operação estruturada é, para o mercado financeiro, toda operação que combina dois ou mais ativos. No entanto, não é apenas o COE que trabalha com operações estruturadas.

Existe a possibilidade de formar uma operação estruturada diretamente no mercado, montando os ativos disponíveis com a liquidez da Bolsa de Valores. A vantagem é que assim você não fica atrelado ao prazo estabelecido pelo Certificado (COE).

 

Valor mínimo, prazo de investimento e rentabilidade do COE

O COE não exige um valor mínimo para investimento, mas isso vai depender dos títulos oferecidos pelos bancos e corretoras.

Os mais comuns ultrapassam a casa de R$ 100 mil, apesar de ser possível encontrar bancos com certificados no valor de R$ 15 mil.

O prazo de duração do investimento também é fixado pelo emissor. Em caso de antecipação, o título poderá sofrer uma desvalorização.

Geralmente, a oferta de títulos se dá com prazos entre 6 meses e 3 anos. Cuide com o prazo do investimento escolhido, já que ele não permite liquidez diária. Esta decisão poderá ser crucial para os seus objetivos.

Sobre a rentabilidade, já vimos que ela acontece de duas formas:

  • Renda fixa: grande parte do valor investido será destinado a ativos de renda fixa, cobrindo eventuais prejuízos dos investimentos mais arriscados
  • Renda variável: uma menor parte do valor será destinado ao mercado de renda variável, como ações. É aqui que existe a oportunidade de ganhos acima da média, mas também corre o risco de pegar uma queda no mercado, sendo utilizado o rendimento da renda fixa como cobertura do prejuízo

Importante lembrar também que os bancos emissores definem um ganho máximo. Ou seja: mesmo que seus investimentos superem o desempenho previsto, você receberá os rendimentos respeitando o teto estabelecido pelo emissor.

Esta é uma forma de garantir que a entidade emissora (no caso, o banco) também proteja os seus lucros.

 

Vantagens de investir em COE

O COE tem como principal característica oferecer uma rentabilidade acima da média, se comparada aos ganhos com renda fixa, mas com a segurança deste tipo de operação.

Isso porque tem um controle de riscos contra as oscilações do mercado de renda variável, como ações, importante para manter o capital protegido. Além disso, podemos citar, como vantagens do COE:

  • Você pode customizar suas aplicações, desde que respeitando os requisitos mínimos exigidos pelo emissor
  • Você tem a chance de investir em opções mais sofisticadas, como câmbio e mercado estrangeiro
  • Permite um alto rendimento com baixo risco
  • Tem perdas controladas, dependendo da modalidade da operação, sendo, no máximo, o prejuízo do valor investido – não mais do que isso
  • Tributação regressiva do Imposto de Renda
  • Não possui nenhuma taxa para o investidor
  • Oferece opções de investimentos com diferentes níveis de risco, atendendo aos perfis de investidores
  • Possibilita a diversificação de investimentos de um modo fácil
  • Tem facilidade de acompanhamento, já que aparece como um único ativo para controle de desempenho
  • Permite o investimento no mercado estrangeiro sem a necessidade de envio de recursos ao exterior

 

Desvantagens de investir em COE

Por mais interessantes que sejam as vantagens do COE, é preciso também olhar para as desvantagens deste modelo de operação. Tendo conhecimento, você poderá decidir se este modalidade de investimento é uma boa opção para o seu perfil e seus objetivos. Confira:

  • Não ser garantido pelo Fundo Garantidor de Créditos, ou seja, se o emissor falir você pode não receber de volta o seu capital
  • Não tem liquidez a curto prazo. O prazo de investimento é fixo e em caso de antecipação do recebimento, poderá ser cobrado o deságio (uma espécie de depreciação/desvalorização do título)
  • O capital protegido só está garantido até a data de vencimento do título
  • Geralmente possuem um limite de ganhos. Esta é uma forma de o banco emissor também garantir os seus próprios lucros
     
Ver todos os artigos